Sua versão do navegador está desatualizado. Recomendamos que você atualize seu navegador para uma versão mais recente.

CONTATO

Campos assinalados com * são obrigatórios.
MESTRE BIMBA
 

  

 

 

Manoel dos Reis Machado era filho de Luiz Cândido Machado e de Dona Maria Martinha do Bonfim, nasceu dia 23 de novembro de 1900, no bairro do Engenho Velho em Salvador/BA, lado da Freguesia.
           
Seu apelido - BIMBA - resultou de uma aposta da parteira com a sua mãe, pois Dona Martinha acreditava que daria à luz uma menina e a parteira dizia que seria menino. A parteira ganhou a aposta e o pequeno Manoel recebeu o apelido de Bimba, por ser este o nome popular dado ao órgão sexual do homem na Bahia, referindo-se às crianças.
          
Começou na arte da capoeira com menos de 12 anos, tendo por mestre e professor um negro africano chamado Bentinho, que era capitão da Companhia Baiana de Navegação. Seu aprendizado com Bentinho durou cerca de quatro anos e após este período passou a ensi nar o que aprendeu e lecionava Capoeira Angola na capitania dos portos da Bahia. Bimba fez por mais de dez anos.
           
Mestre Bimba fundiu a Capoeira Angola com o Batuque, um tipo de luta que aprendeu com seu pai, que era campeão absoluto na Bahia, dando-lhe uma roupagem nova, um novo estilo, tornando-a mais rápida e ágil. Este novo estilo foi chamado Luta Regional Bahiana, por ser praticado, na época, somente na região de Salvador e mais tarde, já em franca expansão foi chamado de Capoeira Regional.
           
Em 1932, fundou sua primeira academia-escola de Capoeira Regional no Engenho de Brotas em Salvador. Era o Centro Cultural Físico Regional Baiano. A partir daí, Mestre Bimba começou a ser conhecido e a ficar famoso e ganhou dentre muitos o título "Pai da Capoeira Moderna".
           
Só em 1937 obteve o registro de sua academia junto à Secretaria de Educação, Saúde e Assistência Pública de Salvador e em 1942 fundou sua segunda academia no Terreiro de Jesus - rua das Laranjeiras, hoje rua Francisco Muniz Barreto, 1, onde continua funcionando, sob a direção de seu ex-aluno Vermelho-27.
           
Traído por falsas promessas do governo, falta de apoio e dificuldades financeiras, Mestre Bimba morreu em 15 de fevereiro de 1974, no Hospital das Clínicas de Goiânia, vítima de derrame cerebral.
          
Mestre Bimba foi carvoeiro, doqueiro, trapicheiro, carpinteiro, mas principalmente, capoeirista, MESTRE DE CAPOEIRA e a chama de sua existência estará sempre acesa no coração e na mente de todos os capoeiristas regionais, recebendo assim o reconhecimento de várias gerações e a consagração de sua genialidade e da sua mais conhecida criação, a CAPOEIRA.
            
Mestre Bimba não formava mestres. Para um indivíduo ter a graduação mais alta (titulação de Graduação dos Formandos Especializados) dada por mestre Bimba, era preciso passar pelos seguintes estágios: Exame de Admissão à Academia, Batizado, Formatura e o Curso de Especialização.
 

EXAME DE ADMISSÃO À ACADEMIA

O Mestre Bimba contava que não queria vadios, malandros, vagabundos em sua academia. Para ele essas pessoas causaram muitos danos para a imagem da capoeira. Para que a matrícula fosse realizada o pretendente tinha que ser trabalhador ou estudante e ser aprovado no exame por ele realizado. Dizia que em outros tempos aplicava uma "gravata" no pescoço do indivíduo e dizia: "agüenta aí sem chiar", se agüentasse estava matriculado, caso contrário ia aprender em outro lugar. O mestre dizia que perdeu muitos alunos e dinheiro com isso, porém justificava que em sua academia só queria machos.

Mais tarde mudou o exame, agora o aluno tinha que fazer a "ponte" auxiliado por ele, que deixava as mãos do calouro tocar ao chão e mandava que ele agüentasse um pouco: "mostra-me tua junta que te direi quem és, pois junta de mais ou de menos atrapalha". Depois "queda de rins" para o lado esquerdo e para o direito, no centro uma pequena parada tocando os calcanhares, apoiado apenas nas mãos. Feito isso ele dizia se o pretendente podia se matricular ou não.

BATIZADO

O Batizado consistia em colocar em cada calouro um apelido pelo qual ele seria agora reconhecido dentro da academia e nos meios capoeirísticos. Este apelido era o seu "Nome de Guerra": O tipo físico, o bairro onde morava, a profissão, o modo de se vestir, atitudes, um dom artístico qualquer, serviam de subsídios para o apelido. O apelido como dizia o mestre, também servia como disfarce para os capoeiristas antigos, pois assim a polícia não podia identificá-los pelo verdadeiro nome.

Batizar o aluno, na academia do mestre, era colocar o mesmo para jogar pela primeira vez com o acompanhamento do berimbau, já que o treinamento da seqüência era feito sem o acompanhamento de qualquer instrumento. O mestre escolhia o formado e tocava "São Bento Grande", que é o que caracteriza a Regional, o formado só acompanhava o calouro e o "forçava" a aplicar as defesas e "soltar" os golpes aprendidos. Ao final do jogo o mestre colocava o calouro no centro da roda e pedia que um formado lhe desse um apelido, ou ele mesmo dava. Depois de escolhido o nome todos batiam palmas e o mestre dizia: "A Benção do Padrinho" o calouro ao estender a mão para o formado que o batizou, recebia uma "Benção", golpe aplicado com o pé, que o jogava no chão. Porém este expediente era uma gozação e não era obrigatório, existiam calouros espertos que evitavam "tomar" a Benção e ficava por isso mesmo.

Este batizado é uma criação do mestre Bimba, dentro de sua academia, nunca existiu isso antes, no passado. Era uma característica da Regional que depois que já tinha um bom número de alunos batizados, fazia a "Festa do Calouro", a "Festa do Batizado". Portanto é bom que todos que realizam tal festa hoje, dêem o crédito, contem como surgiu este evento, é nossa obrigação resgatar as tradições da Regional de "seu" Bimba.

Atenção, essa coisa de ter que aplicar uma queda no aluno que está sendo batizado é uma adulteração do evento que deve ser evitado pois coloca em risco o calouro, sua integridade física e por que não moral. A queda é sempre uma conseqüência do jogo e não uma obrigação. Além do mais estão aplicando quedas que nem um bom capoeirista consegue cair bem, quanto mais um iniciante. Outra coisa, os "Mestres", "Professores" e "Formados" quando entram para batizar algum calouro, querem mostrar à todos, platéia, alunos, etc, que são fenomenais, aplicando toda espécie de movimento, na maioria das vezes saltos que nada têm a ver com a verdadeira Capoeira, roubando assim a cena do Calouro, que é quem naquela oportunidade tem que mostrar serviço. Um pouco de moderação e mais Capoeira seria o ideal nesta festa. O "Cobra" tem todas as rodas do mundo para demonstrar sua perícia, o Calouro não. E mais, para que golpes aplicados com tanta violência em um iniciante que nem reflexos ainda possui? A festa é do Calouro, ele é a principal figura daquele show, ele é quem deve aparecer. Esta é a lei do batizado, esta é a lei da Capoeira, segundo Bimba.

FORMATURA

Para formar-se em Capoeira Regional o aluno cursava nunca menos que seis meses: Bimba achava que com seis meses, um aluno considerado normal, com três aulas por semana estaria pronto para se formar. O exame para a formatura era feito em quatro domingos seguidos, no Nordeste de Amaralina, academia do mestre. Os alunos a serem examinados eram escolhidos por ele. Durante estes quatro dias, os alunos tinham que fazer tudo aquilo que ele pedisse em termos de Capoeira. Em outros tempos, contava ele, um dos requisitos exigidos durante o exame era derrubar com uma "Benção" um toro de Jaqueira bastante pesado e de base circular, o qual o mestre derrubava demonstrando a seus alunos como fazê-lo, e comentava rindo: "Os meninos ficavam a manhã inteira tentando derrubar o toro, alguns terminavam com os pés bastante inchados". No último domingo, o dia da escolha, o nervosismo era geral. Ao final do treino, Bimba dizia os nomes daqueles que tinham sido aprovados. Marcava o dia para lhes ensinar 23 novos golpes e também o dia da Formatura. O mestre não dava satisfações aos reprovados, nem eles pediam.

No dia da formatura o mestre todo vestido de branco, desde as primeiras horas da tarde, com um apito pendurado no pescoço, alegre, multando os Formados que chegavam atrasados ou aqueles cujas Madrinhas se atrasavam. A multa correspondia em pagar para os Formados antigos, uma ou mais cervejas ou "Mulher Barbada", uma bebida preparada por mestre Bimba, o único conhecedor da fórmula, a depender da falta cometida.

As formaturas tinham Paraninfo e Orador. Ao orador, que era um Formado mais antigo e escolhido pelos Formandos, cabia falar um breve histórico da Capoeira Regional e do mestre, colocando os presentes a par das coisas relacionadas com a luta e o ritual de formatura. Quando o Orador terminava, o mestre chamava o Paraninfo e lhe entregava as medalhas(Diploma) e os lenços azuis(graduação dos Formados) às Madrinhas. O Formando não podia tocar na medalha nem no lenço durante a Formatura, pois se assim o fizessem seria automaticamente multado. O Paraninfo colocava a medalha no peito esquerdo de cada Formando e as Madrinhas colocavam os lenços no pescoço de cada um.

Este lenço era a maneira do mestre homenagear os capoeiristas do passado que utilizavam um lenço de esguião de seda no pescoço para evitar o corte da navalha do inimigo, desferido sempre na carótida. Segundo Bimba, a navalha não corta seda. Os formandos se vestiam todo de branco, usando basqueteira, atendiam o chamado de Bimba que solicitava a demonstração de golpes, seqüência, cintura desprezada, jogo de esquete(jogo combinado), em seguida a prova de fogo , o jogo com os formandos, também chamado de "Tira medalha", um verdadeiro desafio, onde os alunos formados antigos tentavam tirar a medalha dos formandos com o pé, e assim manchar a dignidade e roupa impecavelmente branca. O aluno jogava com todos os seus recursos, enfrentando um capoeirista malicioso e técnico até o momento que o Mestre apitasse para encerrar o jogo. Dando continuidade ao ritual de formatura acontecia as apresentações de maculelê, samba de roda, samba duro e candomblé. A festa era realizada no Sítio Caruano, no Nordeste de Amaralina, na presença dos convidados e de toda a academia.

 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO

Era um curso secreto onde só poderia participar os alunos formados por Mestre Bimba. Tinha como objetivo o aprimoramento da Capoeira , com uma ênfase para os ensinamentos de defesa e contra-ataque de golpes advindos de um adversário portando armas como navalha, faca, canivete, porrete , facão e até armas de fogo. Sua duração era de 3 meses divididos em 2 módulos, o primeiro com duração de 60 dias e era desenvolvido dentro da academia através de uma estratégia de ensino muito peculiar do Mestre. O segundo com duração de 30 dias e era realizado na Chapada do Rio Vermelho, tinha como conteúdo as "emboscadas". Ao final do curso o Mestre Bimba fazia uma festa aos moldes da formatura e entregava aos concluintes um "Lenço vermelho" que correspondia a uma titulação de Graduação dos Formandos Especializados.